segunda-feira, 5 de setembro de 2011

As Deusas de Hollywood: Rita Hayworth (Parte 7)

Em janeiro de 1945, Rita teve uma triste notícia: sua mãe, Volga morreu, aos 48 anos. Abaixo: Rita, seus pais e seu irmão Eduardo Jr.:


Rita ficou inconsolável durante meses, e não perdoou Orson por estar em New York nesse momento tão crucial. Ela ficou tão triste, que mal deu atenção à estréia de Tonight and Every Night:




A situação entre Orson Welles e Rita Hayworth começou a piorar, e o casamento começou a esfriar, após a morte de Volga. E Orson logo se voltou às suas atividades. Para Rita, só restava trabalhar...e que trabalho!


Em meados de 1945, Rita Hayworth começou a gravar aquele que seria o filme de sua vida, sua marca registrada, seu passaporte para a eternidade: Gilda.




George Macready (1899/1973) é Ballin Mundson, um homem que salva outro, vivido por Glenn Ford;




Glenn Ford (1916/2006) é Johnny Farrell, o Narrador do filme. Sabemos que ele foi salvo por Ballin, quando estava em dificuldades. E que foi contratado pelo mesmo, para trabalhar em seu cassino. É um funcionário fiel, até que...




Rita Hayworth é Gilda, a nova esposa de Ballin, mas que já conhecera Johnny. Ela se diverte provocando-o, enquanto que ele sente um misto de amor e ódio por ela, que provavelmente o magoou, no passado...




O embate entre os dois chega ao cúmulo, quando ela ameaça fazer um strip-tease, somente para provocá-lo, e acaba ganhando um tapa dele por isso. O momento em que Rita tira a luva é antológico:


video


Ballin precisa ausentar-se, e Farrell toma conta de tudo, inclusive de Gilda. Pensando que ele está morto, os dois acabam se casando, mas apenas para ela descobrir que ele quer maltratá-la. Ela foge, e vai se apresentar, para ganhar a vida:


video


Após muitas idas e vindas, ambos descobrem que Ballin está vivo e, após vê-lo ser morto pelo copeiro (Steven Geray), finalmente podem ser felizes:




Aos 28 anos, Rita Hayworth não só alcançara o estrelato, como também a imortalidade: para todo o sempre, seria lembrada por seu papel em Gilda. Ela mesma reclamaria, tempos depois, de que os homens procuravam Gilda, e não a romântica Margarita Cansino...




Tudo no filme seria analisado, mais tarde: a "relação homoafetiva" entre Ballin e Farrell, o amor sadomasoquista entre Gilda e Farrell (Rita quebrou dois dentes de Glenn, numa cena de bofetadas), a sensualidade e os penteados da estrela, as canções que ela "cantou" (Rita foi dublada, em Put the blame on Mame e Amado Mio), etc.




Quando as filmagens de Gilda terminaram, Rita anunciou o fim de seu casamento com Orson Welles. Ela até começou a se relacionar com Tony Martin. Mas, logo voltou para Orson...


Em 1946, estreou Gilda, e o sucesso foi imediato, não só entre os homens, mas também entre as mulheres, que queriam ser Gilda...




Logo em seguida, Rita começou a gravar  Down to Earth (Quando os Deuses Amam), onde interpretou a deusa da música e da dança Terpsícore, que vem à Terra para castigar mortais que usavam seu nome num musical que era uma farsa...





sábado, 13 de agosto de 2011

As Deusas de Hollywood: Rita Hayworth (Parte 6)

No período da Segunda Guerra Mundial (1939/1945), Rita Hayworth foi uma das duas pin-ups que mais vendeu sua imagem (a outra foi Betty Grable).


Os soldados carregavam fotos de Rita de camisola ou no leme do navio (acima) em seus bolsos, suas carteiras, e provavelmente ficavam imaginando-a, como uma deusa onipresente, capaz de minimizar as dores da Guerra.

Em 1943, Rita Hayworth se casou com Orson Welles (1915/1985). Ele era Diretor de filmes, Ator, Roteirista, Produtor e Diretor Teatral, já famoso pela leitura de A Guerra dos Mundos, que fez em 1938, no rádio (dizem que as pessoas acreditaram que a Terra estava sendo atacada por seres alienígenas), bem como pelo filme Cidadão Kane (1941).


Muitos críticos consideram Cidadão Kane o melhor filme já feito até hoje, e Orson Welles ganhou a aura de gênio e também de maldito. Explica-se: o filme era um ataque ao milionário William Randolph Hearst Rita andava envolvida com Victor Mature, por esta época. Mas o romance com Welles foi mais forte, e ela se afastou de um, para estar com o outro. Os dois se casaram em 7 de setembro de 1943...


Nessa época ela estava filmando Cover Girl (Modelos), com Gene Kelly e "quinze das mais lindas mulheres do mundo". Abaixo, cena do filme:

video

Orson Welles era um gênio, mas sempre procurou não magoar sua esposa, em meio a intelectuais. No princípio, os dois viveram uma "adolescência tardia". Mas, com o tempo, as coisas começariam a mudar. Em 1944, foi lançado Cover Girl e, logo em seguida ao lançamento, o casal "fugiu" para New York:


Foi nessa época que Vernon, irmão mais novo de Rita, fugiu do quartel. Ele, e o outro irmão de Rita, Eduardo Jr., achavam difícil suportar a pressão de ser irmãos de uma das mais desejadas mulheres do país.


Mas, no final, tudo se resolveu, e pouco tempo depois, Rita descobriu que estava grávida. O fato foi descoberto durante as gravações de Tonight and Every Night. Foi nesse filme que ela começou a trabalhar com o estilista Jean Louis (1907/1997). Ele conseguiu disfarçar bem a gravidez dela, como no número You Excite Me, considerado um dos melhores que Rita já fez:


video


E a canção Anywhere foi indicada ao Oscar:


video

No dia 17 de dezembro de 1944, nasceu Rebecca Welles, primeira filha de Orson Welles e Rita Hayworth:





sábado, 23 de julho de 2011

As Deusas de Hollywood: Rita Hayworth (Parte 5)

E chegou o ano de 1941...

Neste ano, Rita Hayworth participou de quatro filmes: The Strawberry Blonde, Affectionately YoursBlood and SandYou'll Never Get Rich.


1) The Strawberry Blonde: Rita fez o papel de Virginia Brush, e trabalhou com James Cagney e Olivia de Havilland:




2)  Affectionately Yours: Rita trabalhou com Merle Oberon e Dennis Morgan:




Mas esses dois foram filmes "menores", diante dos outros dois:


3) Blood and Sand: Vicente Blasco Ibañez (1867/1928) escreveu Sangre y Arena em 1908. Era a história de Juan Gallardo, um toureiro famoso, que se dividia entre sua esposa, Doña Carmen, e sua amante, Doña Sol. Já havia sido transformado em filme em 1922, estrelado por Rodolfo Valentino (Juan Gallardo), Lila Lee (Carmen) e Nita Naldi (Sol). Agora, Rouben Mamoulian iria dirigir a versão de 1941, com Tyrone Power no papel de Juan e Linda Darnell no papel de Carmen. E, para o papel de Doña Sol, foi escalada Rita Hayworth. Além do trio, trabalhariam Alla Nazimova, Anthony Quinn e George Reeves. Foi a consagração de Rita. Observe, na cena abaixo, o amor que o casal Rita e Tyrone transpuseram para a tela:


video


E, nesta cena um pouco mais longa, o ciúme de Juan (Tyrone), ao ver Sol (Rita) dançar com Manolo (Quinn).


video




4) You'll Never Get Rich: Rita era Sheila Winthrop, e contracenava com Fred Astaire, que fazia Robert Curtis. Fred era um dos ídolos de Rita, e já era um astro consagrado, dos filmes com Ginger Rogers. A Columbia não poupou esforços para agradar Fred, neste filme. E ele, por sua vez, fez de tudo para que Rita se sentisse a vontade. O resultado beirou a perfeição, em termos de dança:


video


Você também pode ver Fred Astaire cantando So Near Yet So Far, e dançando com Rita, nesse filme:


Dancerstv.com: http://www.dancerstv.com/eng/viewad.asp?id=50302550637100016


E Rita Hayworth ainda tinha 23 anos! Veja como ela havia mudado:




Ainda neste ano, Rita posou para a famosa foto de camisola de cetim, para a revista Life:




Em 1942, Rita fez mais três filmes:


1) My Gal Sal, com Victor Mature:




2) Tales of Manhattan, com Charles Boyer, Ginger Rogers, Henry Fonda e Cesar Romero, entre outros:




3) You Were Never Lovelier, novamente com Fred Astaire:


O título em português (Bonita Como Nunca) fez jus à beleza da estrela:


video


Em 1942, Rita Hayworth separou-se de Edward Judson. Ele tirou tudo que pôde dela, no divórcio, e logo depois desapareceu de Hollywood. Ela, após um caso rápido com Anthony Quinn, se envolveu com Victor Mature, Errol Flynn, David Niven e outros atores...




Mas, para a História, fica a cena de You Were Never Lovelier, onde Fred e Rita cantam e dançam My Old Fashioned:


video

sábado, 16 de julho de 2011

As Deusas de Hollywood: Rita Hayworth (Parte 4)

O ano era 1938, Rita Hayworth tinha 20 anos e já tinha feito 26 filmes. Nada mau, para quem ainda nem era conhecida do grande público. Mas, era para isso que seu marido, Edward Judson, trabalhava incansavelmente.

Em 1939, Rita faria mais três filmes:


Homicide Bureau, com Robert Paige e Bruce Cabot


The Lone Wolf Spy Hunt, com Ida Lupino


Paraiso Infernal, com Cary Grant e Jean Arthur


Após fazer Paraíso Infernal, Rita finalmente passou a ser reconhecida como uma estrela. Agora, o céu era o limite para aquela jovem e tímida atriz. Sim, Rita Hayworth era tímida. Quem a conhecia, dizia que ela se transformava quando em cena ou mesmo dançando. Mas ela mesma não tinha noção do poder que exercia, e do magnetismo que mostrava ter. Na foto acima, de 1939, ela parece realmente não perceber isso.

Em 1940, a atriz fez mais 5 filmes, totalizando 34 filmes, até então:


Music In My Heart, com Tony Martin e Edith Fellows


Blondie On A Budget, com Penny Singleton


Susan and God, com Joan Crawford, John Carroll e Nigel Bruce, Direção de George Cukor


Lady In Question, com Glenn Ford, Direção de Charles Vidor


Angels Over Broadway, com Douglas Fairbanks Jr.

Os filmes com Cary Grant, Joan Crawford, Glenn Ford e Douglas Fairbanks Jr., bem como a direção de George Cukor e Charles Vidor, deram novos rumos para Rita. Agora, ela já não era tanto Margarita Cansino e sim, Rita Hayworth. E a década de 40 nem começara...Agora, Rita estava preparada para novos desafios, que logo viriam


Vamos ver algumas cenas de Rita Hayworth, nesse período:

video

Acima, cena de Music In My Heart (1940), onde Rita dança, enquanto Tony Martin canta Marcinelo, música de 1939;

video

Cena de Susan and God (1940), em que as personagens de Joan Crawford (Susan Trexel) e Rita Hayworth (Leonora Stubbs) se "conhecem";

video

Cena de Lady In Question (1940), onde Rita Hayworth, então com 22 anos, contracena pela primeira vez com Glenn Ford, então com 24 anos (ele nasceu em 1916);


quinta-feira, 7 de julho de 2011

As Deusas de Hollywood: Rita Hayworth (Parte 3)





Edward C. Judson era um mistério, e apareceu misteriosamente na vida de Rita Cansino, logo que ela foi "dispensada" pela 20th Century Fox. Prometendo transformá-la numa estrela, Judson conseguiu o consentimento de Eduardo e Volga, e logo começou seu trabalho, conseguindo-lhe um papel no filme Meet Nero Wolfe (1936), na Columbia




Em seguida, ela fez Rebellion (1936):




Apesar de aparecer no vídeo como Rita Hayworth, ela ainda fez esse filme como Rita Cansino. Em 1937, ela faria mais filmes desse estilo (Classe B), como Old Louisiana:




Outro, de 1937, foi Hit The Saddle:




Trouble in Texas (1937):



Mas Judson percebeu que não havia futuro nesses filmes Classe B, para Margarita. Assim, começou a trabalhar no sentido de que o chefão da Columbia, Harry Cohn (1891/1958) contratasse a estrela definitivamente.  




Cohn aceitou a contratação, mas não queria que a atriz se chamasse Rita Cansino. E, como Volga tinha um irmão famoso, chamado Vinton Haworth (1906/1970), pensou-se em usar esse sobrenome. Mas Harry Cohn fez com que pusessem o Y no nome. Assim, nascia Rita Hayworth, em 1937, na mesma época de seu casamento com Judson. Ela tinha 18 anos e ele tinha mais de 40, sendo até mais velho que Eduardo Cansino...




Judson tratou de providenciar vários filmes para sua jovem esposa, bem como cobrar dos pais dela os honorários pelos anos em que ela dançou com o pai, promovendo um lento afastamento da estrela com sua família.Rita fez Criminals of the Air, Girls Can Play, The Game That Kills, Life Begins With Love, Paid To Dance e The Shadow. Todos em 1937. Abaixo, Rita (no centro) com as atrizes Julie Bishop e Patricia Farr em Girls Can Play (1937):




E aqui, com o ator Charles Quigley, em The Game That Kills (1937):




Foi nessa época, também que Judson pediu a uma maquiadora e cabeleireira da Columbia, Helen Hunt, para fazer uma eletrólise em Rita. Esse processo, doloroso e lento, iria "subir" a linha dos cabelos de Rita, deixando-a ainda mais bonita. Também se propôs a pintura dos cabelos, tornando-os ruivos...Em 1938, ela fez o filme Who Killed Gail Preston? Abaixo, Rita e Robert Paige:




Você pode ver a cena em que Gail Preston (Rita) é assassinada, aqui: http://www.youtube.com/watch?v=2YWC1mS6Bhk


Depois ela fez o filme Special Inspector, There's Always a Woman, Convicted, Juvenile Court e The Renegade Ranger, todos em 1938. Abaixo, Rita em The Renegade Ranger:


Vo cê pode ver Renegade Ranger (1938), aqui: http://www.youtube.com/watch?v=mXzJRZamCUg (uma hora de duração, em inglês). Essa era Rita Hayworth, em 1938, aos 20 anos de idade:



domingo, 3 de julho de 2011

As Deusas de Hollywood: Rita Hayworth (Parte 2)

O ano era 1935, e Margarita Cansino tinha 17 anos. Ela e seu pai se apresentavam no México, no Clube Caliente, em números de dança, o que fez com que ela fosse vista por muita gente do cinema. E seu tipo exótico atraiu a atenção de Winfield Sheehan (1883/1945), executivo da Fox Films.


Mesmo contrariando as opiniões de Louella Parsons (1881/1972), crítica poderosa de cinema, Sheehan convidou Margarita para realizar um teste, para ver se ela se saía bem em frente às câmeras. E, descobriu-se que a jovem mudava, diante das câmeras, com um sorriso que demonstrava que ali havia bem mais que uma jovem de 17 anos tímida. Assim, ela assinou um contrato de seis meses, e começou a ter aulas de impostação de voz, interpretação, natação, tênis e equitação, até para perder um pouco do peso que possuía. O importante era que ela tinha carisma. Também foi diminuído seu nome, de Margarita, para simplesmente Rita Cansino. E é como Rita Cansino que ela apareceu numa sequencia de dança, com Gary Leon (1906/1988), no filme Dante's Inferno (1935):

video

Apesar das falhas no som, é possível perceber a qualidade da dança, coreografada por Eduardo Cansino. Além de Rita e Gary, o filme teve, como astros principais, Spencer Tracy e Claire Trevor. E essa sequencia demorou muito tempo para ser gravada, já que Gary torceu o pé...

Apesar do fracasso do filme, a jovem dançarina e agora atriz sobreviveu, para fazer outro filme: Under the Pampas Moon, onde iria contracenar com Warner Baxter:




Ainda em 1935, Rita Cansino participaria do filme Charlie Chan in Egypt, no papel de Nayda, uma egípcia. Abaixo, Rita com a atriz Pat Paterson (1910/1978):




Repare que, até essa época, a imagem de Rita era de uma moça morena, tanto de pele quanto de cabelo, e talvez um pouco acima do peso. Essas características a tornavam exótica, mas não contribuíam para sua fama.


                          Acima, Rita Cansino em foto promocional do filme Paddy O'Day (1935). 


Nesse filme, Rita vivia Tamara, uma bailarina russa. A atriz principal do filme era a jovem Jane Withers (1926/), então com 9 anos:




Na foto acima, podemos perceber o que havia de magnético em Rita: o sorriso. E seu companheiro de tela, Pinky Tomlin (1907/1987) também percebeu, sendo que foi "escalado" como seu "namorado", para promover o filme, apesar de ser 11 anos mais velho que ela:




Enquanto isso acontecia, a "roda da fortuna" girava: Darryl F. Zanuck (1902/1979), produtor da Warner Bros, saiu da empresa, em 1933. Em seguida, fundou a  20th Century Films (1935), com Joseph Schenck (1878/1961) e William Goetz (1903/1969). E, ainda neste ano, comprou a Fox, criando a 20th Century Fox




Nessa época, Rita Cansino estava filmando Human Cargo e se preparando para fazer Ramona. Qual não foi sua surpresa quando descobriu que não faria mais Ramona, para o qual tanto estudara e ensaiara. "Foi a maior decepção da minha vida", diria depois. Ramona seria feita por Loretta Young, estreando em 1936...




Em seguida, ela foi dispensada pela 20th Century Fox...E é nesse contexto que entrou em cena Edward Judson...